quinta-feira, fevereiro 15, 2007

Antigo arcebispo de MilãoMartini deixa de ser cardeal eleitor



Carlo Maria Martini deixa de poder participar no colégio cardinalício que designe o novo bispo de Roma, ao fazer 80 anos.

O próximo Papa já não contará entre os seus eleitores com Carlo Maria Martini, prelado carismático da Igreja italiana e antigo arcebispo de Milão, tido como figura de proa da ala liberal e que perdeu a possibilidade de se sentar na cadeira de Pedro à medida que o pontificado de João Paulo II se estendia no tempo e batia recordes sucessivos.
Esta quinta-feira, ao completar 80 anos, Carlo Martini deixa de poder participar no colégio cardinalício que designa o novo Sumo Pontífice, o único a quem não é imposto limite de idade para resignar. Martini foi sempre apontado como um rival intelectual de Joseph Ratinzger, o agora Papa Bento XVI.
Teólogo de renome, grande figura intelectual, autor de diálogos com o filósofo italiano Umberto Eco ("Em que crê quem não crê?", edição portuguesa da Gráfica de Coimbra, 2000), o prelado vive hoje retirado num mosteiro em Jerusalém, afectado pela doença de Parkinson, depois de ter resignado ao cargo de arcebispo de Milão, em 2000.
Miguel Marujo FÁTIMA MISSIONÁRIA
Que pena, um homem com uma abertura teológica enorme e com uma vontade de renovar a Igreja tão grande, deixa de estar no lugar devido e de destaque para se tornar efectivamente um homem de Deus.
Enfim, coisas da vida ...