segunda-feira, março 17, 2008

As fotos do DMJ 2008 - Diocese de Aveiro

Aqui estão as fotografias relativas a vários momentos do fim-de-semana;
1.Música vencedora do Féstival,Música vencedora do 2º Féstival e VIII festival Diocesano da Canção Mensagem foi a Música n.º8, Ser tempo, do Grupo de Jovens de Aradas
2.Oração da Manhã
3.Vale Santo, plateia do espectáculo
4.Workshops da manhã, exemplo do de fotografia
5.Preparação da procissão dos ramos
6.Animação durante espectáculo

Parabéns à organização, porque pelo que pude perceber, foi um sucesso estrondoso. Também outra coisa não seria de esperar tendo em conta as pessoas que compõem o secretariado!








fonte: http://sdpj-aveiro.org/

Dia Mundial da Juventude com balanço muito positivo encheu Anadia de jovens e alegria

ADMIRÁVEL MUNDO NOVO PRECISA DE JOVENS DE TODA A DIOCESE

Anadia foi no passado fim-de-semana palco de uma das maiores manifestações de fé entre a juventude da diocese de Aveiro. A jovem cidade recebeu este ano a organização da 23ª Jornada celebrativa do Dia Mundial da Juventude e um milhar de jovens num dia que foi essencialmente de festa, convívio e celebração. Como diziam alguns jovens na chegada pela manhã ao Vale Santo vindos de Estarreja “ser cristão não é andar só nas missas e nas celebrações, ser cristão é marcarmos a diferença entre os amigos, na família e na escola”. E assim foi neste fim-de-semana, festa e música no sábado à noite - no 2º FÉstival - e movimento, aprendizagem, oração e celebração no domingo o dia todo. Tudo com muita energia, entusiasmo suficiente e o silêncio necessário. Já Bento XVI falava da força do Espírito Santo na sua mensagem aos jovens por ocasião desta jornada, que a nível nacional se celebrou um pouco por todo o mundo e que vai juntar jovens do mundo inteiro, em Sidney, na Austrália, no próximo mês de Julho. A mesma força que o Bispo da Diocese de Aveiro, D. António Francisco, elevou como urgente para a “construção de um mundo melhor, esse admirável Mundo Novo que hoje, vocês, com tantos talentos, nos mostraram ser possível”.
Na eucaristia, que encerrou um dia repleto de actividades, o pastor da diocese haveria de desafiar os jovens à Páscoa que é preciso fazer nestes dias “uma Páscoa da esperança, da vivência e da celebração, da reconversão dos corações”. D. António Francisco convidou os mais de mil jovens, que assistiram à celebração no anfiteatro natural do Vale Santo, a serem missionários de Deus, inundando de alegria este mundo frágil com determinação, “trazendo novos jovens a Cristo”.

JOVENS APRENDERAM MÚSICA, DANÇA, EXPRESSÃO DRAMÁTICA E COMUNICAÇÃO
O dia foi longo e terminou já com o cair da noite, ao som das vozes que durante a tarde ficaram roucas de tanto entoarem cânticos. Os jovens foram partindo de alma cheia e coração ocupado como fomos ouvindo em comentários recolhidos, imediatamente, no final do espectáculo e eucaristia. De Sever do Vouga, o Rui disse-nos que para ele “foi um dia muito porreiro, nunca tinha participado em nenhum dia da juventude só no Fátima Jovem e gostei muito, para o ano quero ir outra vez com outros amigos”, ainda pelo arciprestado de Sever do Vouga, para o Carlos Coutinho, de Rocas do Vouga, esta “é uma iniciativa com muito valor uma vez que vai ao encontro dos jovens e leva-os a agir em comunidade cristã”. Para a maioria dos grupos de jovens que existem em regular funcionamento em toda a diocese, com 101 paróquias, esta é também a única oportunidade de encontro, convívio e partilha como constatámos com um grupo de Aradas que aproveitou este dia para confraternizar com alguns grupos que não conhecia, porque não fazem parte do seu arciprestado, “foi curioso perceber que ao longo do dia vamos conversando e contactando com tanta gente que sente o mesmo que nós, uma alegria imensa por nos sentirmos irmãos e amigos”, referiam as meninas mais faladoras.

Já entre os rapazes os comentários iam sobretudo para destacar que “juntos podemos ser mesmo diferentes e fazer coisas radicais para passar a nossa mensagem como com grafittis, hip-hop, escultura, capoeira, nada nos impede de fazermos coisas que gostamos!”, como foram dizendo com algumas exemplificações pelo meio, tal foi o entusiasmo nos workshops que durante a manhã entreteram os jovens e os espalharam por mais de duas dezenas de ateliês e vários espaços da cidade de Anadia. A frase mais ouvida ao final do dia era “foi um dia extraordinário” traduzido do “bué de fixe dos jovens.

“FOI UM DIA EXTRAORDINÁRIO” ERA A FRASE MAIS REPETIDA ENTRE OS GRUPOS
No anfiteatro do Vale Santo, durante perto de 3 horas, a abrir a tarde, os jovens foram alternando de público a performers conforme o decorrer do espectáculo que contou com todos na fila da frente e com cada um em especial no seu contributo de mostrar a todos o que aprendeu. Da língua gestual que ensinou a cantar sem palavras e a bater palmas sem barulho, passando pelos ritmos do hip-hop que foram do caos à harmonia, até à encenação do longo Evangelho de Domingo de Ramos, foi uma desenrolar de talentos, experiências e divertimento com a novidade.“Este foi sem dúvida um dia muito especial para todos, organização e participantes” referia o director do SDPJV em jeito de balanço, “há 4 anos que organizamos este dia e temos vindo a evoluir, a querer fazer mais e melhor, penso que Anadia será um marco muito importante nesta história de Dias Mundiais da Juventude; foram 2 dias, já que desta vez juntámos o FÉstival na véspera, e conseguimos, com a inexcedível colaboração da equipa arciprestal de Anadia e de um núcleo de voluntários e amigos formadores, erguer uma dia onde pusemos os nossos melhores talentos ao serviço daquilo em que acreditamos”, concluía o Director e Padre Rui Barnabé, responsável pelo Secretariado Diocesano da Pastoral Juvenil e Vocacional de Aveiro, responsável pela organização deste dia e pela dinamização da área de juventude e vocação diocesana.

fonte: SDPJV Aveiro’08

Na Linha Da Utopia [17.03.2008]

Chiara Lubich, a vida ecuménica

1. Era o tempo da II Guerra Mundial. A jovem Chiara Lubich, natural de Trento (Itália), vendo a dramática situação da Europa na decadência dos ideais humanos, vem propor uma mensagem de esperança e de diálogo, assente na condição de abertura do ser humano ao ser dos outros e ao ser de Deus. Chiara recebe agora, na hora da partida (14 de Março 2008), os frutos da sua sementeira plantada ao longo da intensa vida (de 88 anos) dedicada a anunciar caminhos de UNIDADE. Não é só o mundo ecuménico das igrejas que está reconhecido e vive a sentida hora da despedida quando (terça, às 15h) em Roma o mundo celebra o dom de sua vida. João Paulo II acolheu e apreciou a sua obra, dizendo que ela corresponde na essência ao espírito renovador do Vaticano II.

2. Chiara Lubich (1920-2008), fundadora do Movimento Ecuménico dos Focolares (
www.focolares.com), do seu coração universal transborda um testemunho de vida que interessa a todos. Não foi por acaso que a sua raiz fraterna da mensagem «que todos sejam um» espelha pelo mundo fora frutos de unidade nas múltiplas vertentes do diálogo (quatro): entre católicos, entre cristãos das várias confissões, com membros de outras religiões e com pessoas de visões não religiosas. Uma verdadeira catolicidade (universalidade) que hoje torna presente a sua obra em 182 nações (também em Portugal), num universo de pertença de cerca de 140 mil focolarinos activos e na ordem de dois milhões de aderentes.

3. Enraizada na essência da mensagem cristã, como visão aperfeiçoada da “fraternidade” (emblema ideológico que a Revolução Francesa de 1789 havia desvirtuado cabalmente quando se observam os factos sucedâneos da exclusão de género e de raça), o mundo não esquecerá que ela foi a primeira mulher a partilhar a sua experiência de vida e de fé em auditórios de diferentes religiões como entre muçulmanos, hindus e budistas. A sua mensagem, como afinal as grandes mensagens, não se esgota no campo da religião mas abre-se a uma totalidade de experiência humana fraterna. Neste contexto de uma vida vivida ao serviço dedicado do bem comum estão concepções que iluminam as sociologias e as economias, propondo mesmo conceitos como a «economia de comunhão».

4. Factos muito relativos e mesmo secundários para ela como para as pessoas grandes porque simples, mas elementos identificadores do reconhecimento dos alcances da vida e obra de Chiara Lubic na sociedade civil, estará o facto dela ter sido aclamada por variadas universidades de todo o mundo com o título de honoris causa. Em áreas tão díspares como a teologia, psicologia, filosofia, economia, sociologia, política. Parte da história humana para uma história sem tempo e espaço mais um símbolo das lutas e das esperanças do passado Séc. XX. A semente caiu na boa terra e deu largos frutos! Acreditamos eles vão permanecer porque anteciparam futuros de unidade humana nas diversidades do tempo global. Mas, que não se percam esses ideais abertos, temos de compreender e sensibilizar mais para a raiz profunda que moveu a vida de gente tão generosa como Chiara Lubich. O mundo está reconhecido e quer continuar a aprender da dádiva que a inspirou em tempos conturbados como os seus.

Alexandre Cruz [17.03.2008]
[imagem Chiara Lubic ] fonte:

Na Linha Da Utopia [16.03.2008]

Uma canção para “Ser Tempo”

1. Vivemos esta semana um tempo especial. Desde a antiguidade cristã que, na aproximação à Páscoa, na semana antecedente, se procura interiorizar de forma mais plena o centro da mensagem da revelação do Absoluto de Deus na forma personalizada, numa Pessoa chamada “Jesus Cristo”. Todas as comunidades que cultivam valores com raiz de esperança alicerçada no divino têm os seus “tempos fortes”. Para a comunidade cristã vive-se a designada “Semana Santa”; uma semana que começa com a celebração festiva do Dia Mundial da Juventude (DMJ), uma iniciativa de João Paulo II comemorada no domingo de Ramos anterior à Páscoa. Na diocese de Aveiro este ano foi escolhido o (arciprestado) Concelho de Anadia para acolher a multidão de jovens da área diocesana. Mil, dois mil jovens… o importante é sempre a vivência de cada um no sentido dos valores comunitários de uma esperança que se quer fortalecer em ambiente pré-pascal. E ficam sementes de paz para a vida!

2. Também, periodicamente, vão surgindo propostas e iniciativas de partilha através da música, esta uma arte de apurada sensibilização para a juventude. Da organização do Secretariado Diocesano da Pastoral Juvenil, como todos os anos e no quadro da proposta diocesana para a juventude, este ano na véspera do DMJ realizou-se o Festival da Canção. Em noite de tantas e ricas mensagens, coube à Paróquia de Aradas, pelo seu grupo de Jovens e numa caminhada permanente de juventude como em todas as paróquias da diocese, a construção da mensagem mais reconhecida pelo júri do festival (melhor letra e canção vencedora). Abaixo partilhamos esta mensagem que vai abrindo a ponte pascal: SER TEMPO!

Fui procurar…onde se esconde o tempo
Saber como faz p’ra não parar
É que saber uns truques dava jeito
Para poder levar-te e ensinar-te…
Mesmo a dormir!

Não o encontrei e o tempo não parou
Não sei onde falhei, o que me escapou
Eu só queria aprender a ser mais eu
E a toda a hora e a todo o momento
Saber estar em ti…

Também eu quero ser tempo
P’ra nunca parar
Ser a tua voz no vento
E poder renascer em ti
Ser o que queres anunciar

O tempo é da gente, o tempo somos nós
O tempo é a correr e a vida é uma só
Porque me falas a mim isso eu não sei
Só sei que quero ser…sei que quero viver
P’ra ser a tua voz!

O que seria de nós, sem o espírito divino?
E o que seria do mundo sem um olhar de Paz!
[ARADAS: Letra e música: Daniel Lopes. Interpretação: Daniel Lopes, Liliana Monteiro, Paulo Gravato, Tiago Marinho.]

Alexandre Cruz [16.03.08]
[imagem os vencedores do FésTival] fonte: http://www.sdpj-aveiro.org

Na Linha Da Utopia [13.03.2008]

Educar “em” Direitos Humanos

1. A Comissão de Solidariedade Social da Associação Académica da Universidade de Aveiro (ORIGAMI), na sua organização do Ciclo de Tertúlias para a Tolerância, levou nestes dias a efeito importante iniciativa sobre «Educação para os Direitos Humanos». Um apelo e um convite fundamental aos estudantes na reflexão continuada sobre as preocupações do mundo em geral (em que continuam a ser tantas as violações dos direitos humanos); mas numa dinâmica da “transferência” dessas preocupações globais para as visões do compromisso diário no âmbito do estudo, investigação e trabalho. A dinamização esteve a cargo da Amnistia Internacional, instância de referência no zelo e promoção dos direitos humanos e na denúncia de situações de seu desumano incumprimento. Conhecer “o que falta” é sempre o primeiro passo para que não falte; a este nível a Amnistia Internacional transfere o “grito” de situações silenciadas para a visibilidade global. Um impulso decisivo em ordem à dignificação da pessoa humana no mundo actual.

2. Felizmente que hoje são muitas as sensibilidades nesta área, no esforço de proporcionar o encontro do «ideal comum a atingir por todos os povos» com às práticas concretas, em todo o tempo e lugar. São também muitas e diversificadas as instâncias e organizações que vivem e promovem esta causa de todos. Também se sublinhe que, hoje, falarmos correntemente de «educação para os direitos humanos» já é por si um sinal de conseguida e múltipla abertura; tanto da educação como tarefa abrangente e por isso que estabelece ponte com as realidades a transformar, como do referencial da Declaração Universal dos Direitos Humanos que quer chegar a todas as áreas do conhecimento (mesmo técnico-científico) para que ele seja e esteja, sempre mais, ao serviço da Humanidade. Este horizonte de diálogo transdisciplinar é, afinal, o caminho que corresponde a concepção plural e inclusiva da dignidade da pessoa humana.

3. Pese, embora, os caminhos já percorridos como eco histórico do dia «10 de Dezembro de 1948» (em que simbolicamente estamos), uma consciência mais efectiva e participada, motivada e sensibilizada está sempre em reconstrução. Enquanto o desejado desenvolvimento humano dos povos continuar a escrever páginas de sangue e indignidade este quadro de referência sócio-educativo não pode esperar. Talvez, nos tempos em que estamos, onde convivemos todos os dias as notícias da miserabilidade correndo o perigo de nos habituarmos, nestes contextos, a aposta decisiva será mesmo na qualidade da proposta como educação «em» direitos humanos, onde estamos totalmente envolvidos naquilo que comunicamos. Felizmente que hoje uma multidão vive este caminho e dá por ele a vida, o tempo, a esperança. Mas ainda falta sempre tanto para este ideal descer ao coração de cada um, e, talvez até mesmo na educação, a começar pelo filme dos brinquedos para crianças (muitos carregados de “guerra”)! O “refrão” dos “direitos humanos”, por si, tem vida curta; para ir mais longe precisa de incluir a “dignidade humana” na sua raiz aberta à Totalidade que cultive e aprecie o que é SER e existir no mundo com os outros. O caminho longo da dignidade!

Alexandre Cruz [14.03.2008]
[imagem logotipo da AAUAV ] fonte: http://www.aauav.pt/

terça-feira, março 11, 2008

Na Linha Da Utopia [11.03.2008]

A ética do “tempo” em educação

1. É verdade que muitas das realidades da vida podem ter soluções rápidas e pragmáticas. Assim esta visão instrumental, normalmente, se aplica a uma obra a realizar, uma ponte a construir, um jardim a tratar. Obras relativamente fáceis! Também é certo que muitas soluções hoje têm a matriz tecnológica e informática, numa aceleração eficaz de processos que procura aliar rigor e qualidade que se difundam rapidamente. Mas não podemos correr o perigo de querer transferir aquilo que são processos da ordem técnica e prática para uma grande multidão, pois no “meio”, naturalmente, há sempre muito ruído que obriga o ritmo a ser outro se se quer chegar a bom porto. Faz lembrar coisas tão simples e tão práticas como uma “pista de escuteiros” em que o tempo que leva um preparador a percorrer esse caminho é multiplicado por três na experiência de grupo; ou então diante de uma assembleia de 1000 pessoas a organizar uma iniciativa comum teremos de repetir diferenciada e metodicamente várias vezes as mesmas ideias a ver se fica “tudo em todos” e mesmo assim…! Teremos de redescobrir mais o realismo e a organização do tempo “qb”, como assimilação e sabedoria consistentes, naquilo que querem ser, efectivamente, os projectos comuns.

2. Sendo-se sempre contra todo o imobilismo que paralisa as fundamentais e necessárias renovações, o certo é que o fulgor das “pressas” unilaterais nas reformas, do olhar em frente esquecendo os “lados” que afinal são as bases de sustentabilidade estrutural, esta prática sempre trouxe consigo grandes anticorpos. Tantas vezes a falta de consciência efectiva da realidade de decisores ou a proclamação de decisões a um ritmo inassimilável por quem está no terreno concreto, este facto, coloca-nos diante de dilemas que dividem o que existe de seguro e bom e multiplica a desagregação e instabilidade. Muitos portugueses têm sido autores e vítimas tanto de seu imobilismo como, talvez mais ainda, dos “repentismos” entusiastas da gestão da “coisa” e causa pública. O tempo do dia-a-dia precisa dessa motivação redistribuída harmoniosamente, evitando dessa forma, quanto possível, os solavancos das emoções.

3. Particularmente, nesta problemática, nada nos interessa (politicamente) quem recua, quem avança, quem ganha e quem perde. Um perdedor está garantido: a comunidade e, no fundo, o país. Claro que os discursos vão “torcendo” o que podem para assumir a “gradualidade” no tempo como factor humano; tudo porque tal como não se pode querer um oceano num rio, não será ético pedir às escolas o “repentino” que áreas tão abrangentes como a educação (o ensino, as famílias, os estudantes, as comunidades locais) não podem dar. Educar nunca foi nem será acto instrumental; se fosse seria bem mais fácil mas menos determinante no desenvolvimento dos povos. (Ofereciam-se tecnologias e pronto…!) Os tempos de recuo estratégico que se seguem (chame-se outro nome!) demonstrarão que houve tempo perdido em não compreendermos a grandeza, abrangência e complexidade de tudo o que está em jogo. Um refrão destes dias tem sido que há muitas instituições do país especializadas em Educação e que não foram chamados a construir (n)este processo. Há reflexões e lições educativas de fundo a serem tiradas de tudo o que acontece(u)… Seria um passo de coragem(?!).

Alexandre Cruz [11.03.08]
[imagem ética e educação] fonte: http://www.planetaeducacao.com.br

Na Linha Da Utopia [10.03.2008]

Sarkozy, o feliz e a liderança

1. A popularidade está a cair a pique. Para os franceses desejosos do retorno da França à liderança europeia, o apaixonado Sarkozy faz hoje com que se coloque a pergunta: «Este homem pode ser o presidente da França?» São sondagens, inquéritos, comentários de opinião em torno desta questão após a simbólica “derrota” eleitoral destes dias. A promessa de “Sarko” foi a nova “revolução”. No quadro prévio das sempre naturais insatisfações político-sociais, um designado “efeito Sarkozy” conseguiu convencer a sociedade desejosa de um “dom Sebastião” à francesa. Os franceses acederam, acreditaram nessa promessa. Não estavam era a contar que o presidente fosse tão rápido a passar das promessas eleitorais a um centrar da vida presidencial na sua vida pessoal. Os jornais vão atribuindo os títulos: «Sarkozy, a política sou eu». Começou por ser omnipresente em meia dúzia de assuntos com visibilidade social e libertadora, visando reconciliar uma França credível com a Europa. Diante do pensamento historicamente clássico francês, rapidamente a sua presidência passou a estar centrada na esfera «comportamental». Uma nova revolução; diríamos, (r)evolução a mais para um povo que também aguarda quem restitua a ordem da dignidade política.

2. Em escassos meses o presidente francês foi criando modas e manifestando uma «felicidade» extraordinária. De sua afirmação diz que pode ser-se Presidente da República e ser-se feliz ao mesmo tempo; como ele diz: «Eu sou feliz». Sobre a sua relação com Carla Bruni, do seu gabinete diz-se que «ele embriagou-se de felicidade no momento em que os franceses a perdiam» (Público, 9 de Março). Pretendendo reinventar a França para o século XXI, inicia por recriar a própria imagem de presidente, dessacralizando, sendo tão igual aos franceses que acaba por provocar admiração e «choque». No contexto dos resultados eleitorais do último fim-de-semana, não tanto as políticas mas o político parecem incomodar os franceses. Uns chamam-lhe «vulgar» (comum), outros que seu comportamento é «imaturo», outros, os psicólogos, ainda, que é «narcísico». Diz-se também que alia traços de grande coragem e intuição mas simultaneamente de «egolatria e de uma vaidade sem limites». Panorama complicado para o presidente em que os franceses acreditaram. E ainda agora estamos no princípio da nova felicidade do presidente, chamado há alguns meses de «hiper-presidente». Um nosso professor dizia que quanto maior é a subida, maior é a queda. Até onde chegará o líder Sarkozy e a sua felicidade?

Alexandre Cruz [10.03.2008]
[imagem Sarkozy ] fonte:http://g1.globo.com/

Na Linha Da Utopia [09.03.2008]

A Faixa de Gaza

1. Há pedaços de terra que estão cheios de sangue. Não só da história passada, mas das histórias que se continuam a escrever no presente. E Deus não tem nada a ver com isso. Os homens é que O “usam” como argumento para atingir os seus fins de domínio sobre “o outro”. Os últimos quatro mil anos da história das terras chamadas israelo-árabes espelham, de forma emblemática, esse desconcerto e desentendimento humano, em que a cada século que passa vão-se juntando mais páginas de conflitos, ao que parece, intermináveis. Claro que, de relance, somos pequenos para compreender tanta informação, tantos dados em jogo, tantos cruzamentos de raças, religiões, espaços, locais, sinagogas, mesquitas, igrejas, sentimentos, emoções, razões, cegueiras, justiças, injustiças, verdades, fanatismos… em que cada palmo de terra condensa a luta de uma vida e de muitas vidas. Repetimos, Deus (que é Amor) não tem nada a ver com isto. Ele até tantas vezes sublinhou e reafirma que o único “lugar físico” que “quer” é o “coração” humano, a consciência-ser, «em espírito e verdade».

2. Não compreendendo isso, poderemos nesta geração correr o perigo ignorante de atribuir às religiões e a Deus aquilo que é pura e unicamente obra interesseira e dominadora dos homens, o que resulta que se chame “terra santa” a uma terra nada santa nas incompatibilidades de tanta história em que só mesmo pelo “perdão da memória”, como tanto falava João Paulo II, é que lá iremos ao caminho da paz. A triste história continua e hoje as ONG’s que estão no terreno vêm dizer que se vive na Faixa de Gaza o pior período de crise humanitária desde a guerra de 1967. As culpas da desgraça, “taco a taco” tal como a guerra, vão-se atribuindo reciprocamente entre Israel e o Hamas… No passado recente as razões são que, após os disparos de rockets pelo Hamas em Janeiro, Israel impôs o actual bloqueio a Gaza na data de 17 de Janeiro e raids aéreos frequentes têm feito dezenas de mortos na famosa Faixa de Gaza. Do “bloqueio” de quase-tudo o essencial à vida diária vem um relatório das ONG’s de cenário dramático intitulado «Faixa de Gaza: uma implosão humanitária».

3. Os Estados Unidos, na fronteira da cena internacional e das imagens perturbadoras que vão chegando, pedem um “alívio” do bloqueio para garantir as condições de humanidade. O quarteto de negociadores (Estados Unidos, União Europeia, Rússia e Nações Unidas) vai avançando na gestão da mediação do cenário político. As ONG’s no terreno vêem-se e desdenham-se para socorrer não havendo condições de luz eléctrica para fazer intervenções clínicas, água potável para matar a sede, esgotos a irem para o mar, corte de comunicações, tratando-se de uma população bloqueada em que mais de 1,1 milhões dependem da ajuda alimentar. Alguns analistas vão falando de “genocídio”. Os céus de Gaza respiram a pólvora, ar poluído que, independentemente das políticas ou dos grupos atiçados de fanatismo político e/ou religioso, vai mostrando a limitada incapacidade humana. Se a história de séculos o confirma, a história presente continua esse caminho. Nada de novo, porque tudo velho. Nenhuma das razões justifica o injustificável desumano que persiste. Ao menos não sofram as populações. Precisamos de aprofundar o diálogo de civilizações para compreender a história e propor uma nova memória de paz. Ou seguir-se-á indefinidamente a contra-ofensiva?

Alexandre Cruz [09.03.2008]
[imagem faixa de gaza] fonte: http://upload.wikimedia.org

Na Linha Da Utopia [06.03.2008]

Uma mesa comum:
«E os alunos?»


1. O que temos verificado no panorama da educação suscita muitas reflexões por este país fora, umas silenciadas outras expressas. Educação, área estruturante e delicada, trabalhada esforçadamente nas últimas décadas por gerações de líderes, professores e famílias, estudantes e entidades. Muitas propostas ou indicativos estimulantes que hoje se consideram pertinentes já são pensados há muitos anos por quem foi abrindo caminhos de uma educação inclusiva e participada pela sociedade a quem, afinal, se destinam os educadores. Da outra face da moeda, muitos défices e limites do “sistema” têm merecido os reparos denunciadores de um consenso na razoabilidade que tarda em chegar. Sem alarmismos, mas sem superficialidades, estas últimas semanas têm sido más demais para ser verdade. Quase um beco sem saída; radicalizaram-se as posições em sector tão fundamental (e alimentador) de uma desejada vida social tolerante, compreensível e comprometida com o essencial da tarefa educativa: os estudantes.

2. Numa simples opinião, talvez ao ponto onde chegámos seja necessária mesmo uma “terceira via”: uma “mesa” onde se recentre o essencial e onde não se sentem as inflexibilidades dos dois lados, mas sim os dois ângulos da questão. Venha e cultive-se uma mentalidade sócio-educativa (o “trunfo” dos países desenvolvidos) onde não adianta nada (1º) nem demitir ministros da Educação, (2º) mas onde estes nas políticas que representam saibam construir uma via comum. As inflexibilidades e intolerâncias não conduzem por nenhum caminho, a não ser o pior. A fronteira é ténue, ou já foi mesmo ultrapassada. Quanto mais as versões político-partidárias avançam com as bandeiras dos gritos e das demissões ministeriais (seja de que lado for), mais difícil se tornará a comunidade escolar, a sala de aula, o recreio, o envolvimento dos pais, das autarquias. Para descer basta um instante, para subir a qualidade são necessários anos. Também aqui a noção de reformas que temos carece de uma sustentabilidade que inclua, à priori, a globalidade das expressões.

3. Reformas (como as revoluções) à força, não só no “momento seguinte”, mas, como vemos, “durante”, resulta no panorama caótico impensável. As noitadas dos professores nas ruas do país têm sido estonteantes, no que se diz e no cansaço que gera para ao fim de horas ‘dar aulas’; a “revisão” (natural em processos democráticos) do processo de avaliação de professores tarda demasiadamente, como se fosse algo supra-dogmático. Queremos buscar razões para a “confiança”, mas, pelo “tesouro” da educação que (não) vemos, só abundam cogumelos desagregadores. Talvez tenhamos de começar do princípio e criar um slogam no ser profundo de cada cidadão: precisamos de nos sentar a uma mesa comum e reflectir sobre «E os alunos?». Não sabendo para onde vamos, sabemos que será pelo que temos visto. Claro, é preciso grandeza de Humanidade para reconhecer que aqui ou ali todos falhámos e queremos melhorar, sem que isso tenha de significar o “atirar pedras” demissionárias. Para quando esta grandeza humana? Conseguiremos mudar esta matriz infeliz da nossa história? Até quando?!

Alexandre Cruz [06.03.2008]
[imagem alunos ] fonte: http://www.comunica.unisinos.br

Na Linha Da Utopia [05.03.2008]

As duas gerações

1. Nas comemorações dos 18 anos de edições, o jornal Público elabora um interessante exercício de ver como estávamos há 18 anos, no confronto contemporâneo dos que nasciam com os que na altura atingiam essa idade. Dos que nasciam no ano do Público (1990) aos que chegavam a considerada maioridade de 18 anos já parece haver uma distância tal como se se tratasse de muitas décadas de diferença. Ajuda-nos este confronto a tomar consciência que desse tempo para hoje as velocidades com que comunicamos aproximaram o particular do universal e o mundo da casa e vida de cada um. Nascendo, em 1989, com a queda do Muro de Berlim uma nova configuração planetária (com o fim do último totalitarismo, soviético), no mundo da época respirava-se de alívio pós-guerra fria na expectativa realizadora e esperançosa de uma verdadeira pacificação global.

2. Nesta nova conjuntura de liberdades abertas (não há liberdades fechadas!), talvez os anos 90 tenham sido a época histórica de uma autêntica “epopeia tecnológica”, com o boom eufórico da universalização das múltiplas formas de comunicar e sentir o mundo presente. Este mega exercitar da globalização, de tendências marcadamente hegemónicas e de domínio do económico em detrimento das diversidades, das ideias, políticas e culturas, sofre um forte revés nos atentados do 11 de Setembro de 2001. Talvez tudo tenha andado depressa demais em termos de tecnologias e de aproximação estratégico-científica e comunicacional, porque talvez tudo tenha andado devagar demais no que se refere ao verdadeiro (re)conhecimento da essência da Humanidade nas suas diversidades e nos seus “porquês”. O incompreensível “grito” do 11 de Setembro traz consigo um arrepiar de caminhos que, nas inseguranças e nos medos, pode reconduzir a história a alguns fechamentos geradores de desigualdade e exclusão.

3. A geração portuguesa que nasceu há 18 anos vive hoje com as mãos cheias de tecnologia mas, não tendo assistido ao seu emergir (algo que quem na altura tinha essa idade foi presenciando), corre o perigo crescente da absolutização das “coisas” deitando a perder o essencial da humanidade pessoal e social que são as relações humanas. Os resultados estão aí: Como refere o estudo do Público: «Acreditam: neles…» e «Não acreditam: no país, no casamento, nos outros». Num país diferente para melhor em muitas realidades mas na mesma em relação a muitas desconfianças espelhadas em mega casos de justiça e a sua continuada incerteza, a geração que está aí confirma os receios de uma (pseudo-)cidadania da indiferença sócio-política que, de quando em quando, costumamos criticar... Talvez tenhamos muito a aprender com as gerações anteriores; mas para isso é preciso o “diálogo de gerações” e mesmo o diálogo intercultural. Nestes diálogos, é certo que usando todas as virtualidades que nos aproximam, mas… preservemos e enalteçamos a presença humana.

Alexandre Cruz [05.03.2008]
[imagem Logotipo do Jornal Público] fonte: www.publico.pt

terça-feira, março 04, 2008

Na Linha Da Utopia [04.03.2008]

Vencer o Pessimismo

1. Não se pense que é só em Portugal que o pessimismo vai alastrando, nem se julgue que o factor de crise económica é o ‘cerne’ da questão e a sua raiz. Talvez as ondas das emoções sociais sejam como as bolsas de valores, depois de fases de optimismos em que tudo parece correr às mil maravilhas (dos anos 60-70) vem a crise do reequilíbrio e reajustamento à realidade (em fins e início de milénio). Sublinhe-se, um certo sentir («difuso» ou infuso) de pessimismo só pode ser superado com o compromisso de cada dia, não havendo fórmulas mágicas que solucionem todas as questões em simultâneo na sociedade, hoje, em rede. Normalmente, neste lado do mundo em que nos fomos habituando a uma certa qualidade de vida, só queremos que a “rede” funcione para as coisas positivas, esquecendo que não há bela sem senão e que, talvez, os múltiplos processos de globalização em curso são a origem das novas sensações a reconhecer e integrar.

2. Como em tudo, o primeiro passo é “compreender”. Por isso, não admira que lendo as transformações em andamento, em que por exemplo o emprego para toda a vida é realidade já mesmo do passado, diante das novas inseguranças, a resposta humana não pode ser a resistência da luta contra os moinhos de vento das transformações; a tensão da resposta terá de se projectar no encarar, formar, lutar, procurar, espevitar a esperança na redescoberta dos mecanismos de vida dinâmica, onde a pessoa é, efectivamente, parte das soluções que ela sabe (eticamente) criar e reinventar. Ficar parado, desmotivado, resignado, a ver o mundo passar e perder tempo queixando-se na contínua ‘lamúria’, será afogar-se num pessimismo doentio que nos diz que se vivêssemos em outros séculos ou noutros sofridos continentes da actualidade já há muito teríamos padecido. Talvez na raiz do pessimismo também esteja uma mentalidade de impossíveis expectativas em relação à vida, confundindo muitas vezes (como há tempos dizia D. José Policarpo) felicidade com facilidade.

3. Muitas gerações que nos precederam tinham muito menos para viver. É natural que os tempos são outros, mas muitas vezes os hábitos da fartura (e fartura mal gerida, como o comprovam muitos supérfluos e mesmo o grave problema da hiper-obesidade de muitas crianças) acabam por deixar uma sementeira mais do “deixa andar” do que da palavra de ordem “vamos lá!” É claro que não se podem ocultar os cenários realistas (complicados) que vivemos, estes espelhados em variados relatórios que sempre surgem; mas toda a aposta na mentalidade terá de ser de investimento em ideias, esperança, cultura, formação, valores, ética, compromisso, cidadania, envolvimento (as palavras poderiam não acabar). No fundo, a diferença entre o pessimismo e o optimismo está no património de referências do coração humano... Quem dá valor às pequenas coisas só tem razões para agradecer o dom da vida e redescobrir energias do compromisso diário. Multipliquemos uma confiança realista (esta que não se confunde com muito do optimismo fácil proclamado pelos poderes), sem esquecer as dificuldades, mas não permanecendo nelas; faz mal, até à saúde (pessoal e social) e desmobiliza a reacção em ordem ao compromisso diário.

Alexandre Cruz [04.03.08]
[imagem D. José Policarpo ] fonte: http://dossiers.publico.pt

Na Linha Da Utopia [03.03.2008]

A bondade de coração

1. As encruzilhadas do passado séc. XX fizeram chegar até nós ecos de gente cuja bondade permitiu a redescoberta da esperança em caminhos tão tortuosos. Aqueles que, colocando as armas de lado, foram obreiros das “revoluções pela não-violência” deixaram atrás de rastos de luminosidade que, enquanto houver memória humana, hão-de perdurar no que de melhor a humanidade é capaz. É que diante das guerras e intolerâncias responder com as “armas” da paz é atitude que só pode provir de corações grandes, daqueles que sabem que podem perder uma ou outra “batalha” (das coisas) mas na certeza de que ganham definitivamente a “guerra” (dos valores de consciência com futuro). Podemos, entre tantos outros, lembrar os emblemáticos Luther King e Mahatma Gandhi nas suas lutas pela dignidade humana em que não responderam com as mesmas moedas de que foram vítimas.

2. A crispação de algum do inseguro tempo presente está a fazer vir ao de cima a antiga “lei de talião”, quando na menoridade existencial e social, se respondia “olho por olho, dente por dente”. Uma verificada intolerância (e mesmo o seu ridicularizar) para com as legítimas e dignas diferenças, ou um autismo superficial de poderes que cega a compreensão da complexa realidade, estão a proliferar como cogumelos. Tudo quase que numa resposta “taco a taco” como se, definitivamente, uma certa bondade humana estivesse já fora da validade. No plano da constatação, há dias no parlamento, alguém de opinião diária em grande órgão de comunicação manifestava a profunda tristeza com as actuais formas de “fazer política” (espelhadas no debate entre Sócrates e Portas); dos dois lados da intriga, uma “guerra” demonstrativa de como vamos andando… Todos falam do interesse nacional, mas a preferência prática continua na quezília...

3. Talvez fosse interessante e importante o conhecer, estudar, reconhecer e compreender mais e melhor a vida daqueles que nos precederam da vida e que foram abrindo caminhos de dignidade humana e de coesão social. Esses foram criadores de “pontes” com os tijolos que outros antes haviam usado para erguer os “muros” da divisão. Se não cuidarmos deste património essencial da humanidade, apre(e)ndendo da grandeza e da bondade generosa desses profetas, sem darmos por isso, podemos ir desumanizando a vida e as relações… Em muito das nossas sociedades, a montante, já quase custa a compreender que terão de existir valores e princípios inalienáveis; mas, simultaneamente, diante de todas as inseguranças, a jusante, reclama-se a criminalização de quase tudo o que for o passar da fronteira. À crispação e à desagregação terá de se responder com a bondade, o mesmo é dizer, com “sabedoria”. Esta, que é sempre o futuro, não segue os números ou as fórmulas pois “persegue” a pessoa toda e tudo o que existe, mesmo sem ver.

Alexandre Cruz [03.03.2008]
[imagem Mahatma Gandhi ] fonte: http://www.s9.com

Na Linha Da Utopia [02.03.2008]

Estudar as claques de futebol

1. O que são as grandes claques de futebol? Como vivem e de que vivem? Que rituais e palavras geram essa unidade quase inquebrantável? Que energias da claque transitam para a vida pública? Como procuram ou conseguem lidar os clubes como essa força poderosa, na emoção capaz do melhor e do pior? O que acrescentam ao futebol? Serão mesmo necessárias? E quando tudo corre mal, quem se responsabiliza? Têm tendência a crescer à medida que as desigualdades sociais aumentam? Haverá alguma relação entre a exclusão social e as grandes claques de futebol? Como vêm a equipa adversária e as claques do outro clube? Que linguagens, chavões, gritos predominam? Haverá ritos de iniciação e hábitos de continuação para a pertença? Como se comportam na vitória? E que dizem e como agem-actuam na derrota? Enquadram-se no tipo de relação “amor-ódio”? Será obrigatório beber cerveja?!...

2. As perguntas poderiam nunca mais acabar. Volta e meia o assunto das claques salta para a praça pública. Normalmente pelos motivos menos felizes. Passado uns dias e arrefecendo as circunstâncias, como em tudo, volta-se ao dia-a-dia e as claques vão fazendo o seu percurso ritual, habitual. Quando se aproximam os grandes jogos, nacionais ou internacionais, falam-se de centenas e centenas de polícias, quase que diríamos a escoltar para “dominar as feras”, não vão elas soltar-se e “partir tudo”. Estranho mundo esse das claques, onde muita gente se deve perguntar, afinal, como subsistem na sua vida (?). Por vezes as marcas da passagem ficam registadas mesmo nas estações de serviço das auto-estradas, e dá a sensação de que estamos diante de algo já consagrado, como se a sociedade fosse cabalmente ou impotente diante de suas acções ou então já fazem parte da vida social...(?)

3. Há dias, ainda muito tempo antes do clássico Sporting – Benfica os jornais registaram entre adeptos rivais violências e mesmo esfaqueamentos; este domingo, a Pública (02.03.2008) dedica uma boa parte das suas páginas ao líder da maior claque do FC Porto «Fernando Madrinha: estranha popularidade». Destacava mesmo: o líder «para alguns, é um susto. Para outros, é o maior, um ícone. Esta é a sua história, a história de alguém que soube potenciar o “mau” e aprendeu a revertê-lo a seu favor.» (Pública, id). Confessam alguns que ele é quase um pastor (liderando os mais de dois mil super dragões em Alvalade), que «investiu no desvio, mas em vez de cair na marginalidade ganhou um lugar na sociedade». Os próprios clubes, instituições do futebol e autoridades não sabem como proceder. Tudo preocupante demais para se ficar sereno diante da ténue fronteira das liberdades… E ainda se poderá perguntar o quanto de impacto têm as claques como “deseducação social”(?). Já não é fácil (e pelo rumo que vai por essa Europa fora), mas como actuar enquanto há algum tempo? Aliás, ainda iremos a tempo de alguma coisa?

Alexandre Cruz [02.03.2008]
[imagem claques de futebol ] fonte: http://terceiroanel.no.sapo.pt