terça-feira, março 04, 2008

Na Linha Da Utopia [02.03.2008]

Estudar as claques de futebol

1. O que são as grandes claques de futebol? Como vivem e de que vivem? Que rituais e palavras geram essa unidade quase inquebrantável? Que energias da claque transitam para a vida pública? Como procuram ou conseguem lidar os clubes como essa força poderosa, na emoção capaz do melhor e do pior? O que acrescentam ao futebol? Serão mesmo necessárias? E quando tudo corre mal, quem se responsabiliza? Têm tendência a crescer à medida que as desigualdades sociais aumentam? Haverá alguma relação entre a exclusão social e as grandes claques de futebol? Como vêm a equipa adversária e as claques do outro clube? Que linguagens, chavões, gritos predominam? Haverá ritos de iniciação e hábitos de continuação para a pertença? Como se comportam na vitória? E que dizem e como agem-actuam na derrota? Enquadram-se no tipo de relação “amor-ódio”? Será obrigatório beber cerveja?!...

2. As perguntas poderiam nunca mais acabar. Volta e meia o assunto das claques salta para a praça pública. Normalmente pelos motivos menos felizes. Passado uns dias e arrefecendo as circunstâncias, como em tudo, volta-se ao dia-a-dia e as claques vão fazendo o seu percurso ritual, habitual. Quando se aproximam os grandes jogos, nacionais ou internacionais, falam-se de centenas e centenas de polícias, quase que diríamos a escoltar para “dominar as feras”, não vão elas soltar-se e “partir tudo”. Estranho mundo esse das claques, onde muita gente se deve perguntar, afinal, como subsistem na sua vida (?). Por vezes as marcas da passagem ficam registadas mesmo nas estações de serviço das auto-estradas, e dá a sensação de que estamos diante de algo já consagrado, como se a sociedade fosse cabalmente ou impotente diante de suas acções ou então já fazem parte da vida social...(?)

3. Há dias, ainda muito tempo antes do clássico Sporting – Benfica os jornais registaram entre adeptos rivais violências e mesmo esfaqueamentos; este domingo, a Pública (02.03.2008) dedica uma boa parte das suas páginas ao líder da maior claque do FC Porto «Fernando Madrinha: estranha popularidade». Destacava mesmo: o líder «para alguns, é um susto. Para outros, é o maior, um ícone. Esta é a sua história, a história de alguém que soube potenciar o “mau” e aprendeu a revertê-lo a seu favor.» (Pública, id). Confessam alguns que ele é quase um pastor (liderando os mais de dois mil super dragões em Alvalade), que «investiu no desvio, mas em vez de cair na marginalidade ganhou um lugar na sociedade». Os próprios clubes, instituições do futebol e autoridades não sabem como proceder. Tudo preocupante demais para se ficar sereno diante da ténue fronteira das liberdades… E ainda se poderá perguntar o quanto de impacto têm as claques como “deseducação social”(?). Já não é fácil (e pelo rumo que vai por essa Europa fora), mas como actuar enquanto há algum tempo? Aliás, ainda iremos a tempo de alguma coisa?

Alexandre Cruz [02.03.2008]
[imagem claques de futebol ] fonte: http://terceiroanel.no.sapo.pt

Sem comentários: