segunda-feira, junho 30, 2008

Paulo de Tarso, 2000 anos

1. Talvez exista com Paulo de Tarso uma certa injustiça, talvez a primeira fase (perseguidora) de sua vida tenha condicionado a sua aceitação popular. É incontornável que Paulo (conhecido como São Paulo) foi das personalidades mais importantes da história do Cristianismo nascente e, consequentemente, da própria história da humanidade na matriz ocidental. Mas Paulo não caiu no “goto” popular como Santo António, São João Baptista ou o seu contemporâneo São Pedro. Estes, ainda que muitas vezes quase de modo contrário em relação à sua vida de entrega generosa e sacrificial, foram angariando a dimensão popular festiva e afectiva, que o digam as inúmeras tradições e romarias que nestas semanas têm percorrido as vivências comunitárias em Portugal, onde os seus nomes representam encontro, convívio, festa…

2. Já Paulo, uma das personalidades essenciais reconfiguradoras do Cristianismo, não tem assim tantas famas de “festeiro”. Não tem grandes romarias nem muitas tradições, não passou nessa faceta para as gentes, ele que deu mundos e fundos no anúncio da boa mensagem a todas as gentes e como fundador itinerante de comunidades… Será que Paulo não entrou tanto na dimensão popular por ter sido um intelectual da fé? Ou pelo seu confronto de ideias com Pedro? Ou ainda, pela, sua conversão tardia e não se ter libertado da fama de perseguidor? Ou pelas preferências terem sido orientadas mais para a vertente papista de Pedro que para a irreverência da “fé inculturada” de Paulo… Enfim, as perguntas poderiam não mais acabar nesta busca de (compreendendo a sua importância decisiva na Igreja primitiva), reconhecer em Paulo o impulso enérgico que, todavia, não entrou no popular tanto como seria de desejar para um designado dinamismo universalista implementado por ele próprio.

3. Começam nestes dias (28 de Junho 2008 a 29 de Junho 2009) as comemorações do chamado Ano Paulino. Faz 2000 anos do nascimento de Paulo de Tarso. Este incansável líder fundador de comunidades, anunciador de uma mensagem (cristã) na diversidade das gentes e culturas, reinterpretador na origem (abraâmica) da genuína essência do sentido da vida de Jesus, escritor de 13 cartas que continuam a ser dos documentos mais estudados da Escritura, incontornável e decisiva personalidade da história das ideias mesmo sócio-políticas e religiosas… Paulo terá muito a dizer ao nosso tempo. Que o diga a urgência ecuménica, o aprofundado diálogo inter-religioso, a percepção do novo discernimento entre o essencial a aprofundar e os acessórios a actualizar diante dos tempos interpelantes, estimulantes e inadiáveis do séc. XXI. Que nos diria, hoje, Paulo como a sua frescura reinterpretativa e o seu enérgico dinamismo viajante? Este ano, como sempre, pode ser uma oportunidade inédita ou pode ser um pró-forme... Não chega aprofundar modelos dinâmicos de existência (cristã) e…permanecermos na mesma. Os próprios “acessórios” a rever hoje são essenciais. Não é fácil, é preciso mesmo coragem Paulina!


Alexandre Cruz [29.06.08]
http://1632un.blogspot.com/
[imagem: Paulo de Tarso] fonte: http://www.meusestudos.com

terça-feira, junho 24, 2008

Reflexão do dia

"As pessoas viajam para admirar a altura das montanhas, as imensas ondas dos mares, o longo percurso dos rios, o vasto domínio do oceano, o movimento circular das estrelas; e, no entanto, elas passam por si mesmas sem se admirarem". (Santo Agostinho)

Penso que já é tempo de pararmos e conseguirmos viver a vida olhando para tudo aquilo que ela nos tem para oferecer, não acham?
Ou será que temos de andar sempre a correr e à procura da felicidade em coisas que por serem demasiado altas só nos fazem ficar a olhar para cima e perdemos a beleza das coisas que nos são mais próximas?

De facto, é preciso olharmos bem para nós e para os nossos!

Enfim, coisas da vida ...

segunda-feira, junho 23, 2008

Para lêr e voltar a lêr

Porque por vezes existem textos que nos ficam a matutar na cabeça demasiado tempo, fica também para vocês esta minha pequena reflexão que me acompanhou durante uns dias ...
Dá que pensar não dá?

Enfim, coisas da vida ...


“Se Deus me presenteasse com um pedaço de vida......
não diria tudo o que penso, mas, certamente, pensaria tudo o que digo;

daria valor às coisas, não pelo que valem, mas pelo que significam...
Aprendi que todo o mundo quer viver no cimo da montanha, sem saber
Que a verdadeira felicidade está na forma de escalar a montanha.
Que quando um recém-nascido aperta com a sua pequena mão,
pela primeira vez, o dedo de seu pai, o tem prisioneiro para sempre.
Que um homem só tem direito de olhar outro de cima para baixo para ajudá-lo a levantar-se.
São tantas as coisas que aprendi...”

Gabriel Garcia Marques

sexta-feira, junho 20, 2008

O LIVRO E OS LIVROS, OS CATÓLICOS E A BIBLIA

Zade Smith, uma inglesa de origem oriental, das mais respeitadas escritoras britânicas na actualidade, ao dar conta, em entrevista recente (Expresso 31.5, em Actual), da sua carência de educação religiosa, diz textualmente: “Eu cresci numa família sem filiação religiosa. Quando não se tem um grande Livro, é natural olhar para um data de livros pequenos”. Uma palavra de largo e ponderado sentido, que a vida ilustra em cada dia.
Para aos cristãos, o grande Livro é e será sempre a Bíblia. Sair dela ou prestar-lhe menos atenção é deixar sem alimento a fé pessoal e a fé comunitária sem fundamento sólido e inspirador.
Recentemente, uma sondagem feita na diocese de Lisboa, e da qual se deu notícia muito alargada, trouxe ao de cima a consciência de como há ainda muitos cristãos que não lêem, não meditam, nem rezam a Bíblia, mesmo quando a têm em suas casas e sabem o seu valor e importância para a vivência da fé e para a vida segundo Cristo.
Os cristãos da reforma protestante e outros que, ao longo do tempo, foram nascendo, separando-se das correntes iniciais, mantiveram sempre grande ligação à Bíblia. O mesmo fazem hoje as incontáveis seitas que vão proliferando por esse mundo fora, muitas vezes sem pejo de utilizarem e manipularem o Livro Sagrado para justificar opiniões e interesses.
Num contexto histórico conhecido, a Igreja Católica durante séculos, preocupada em defender a fé tradicional do povo, ameaçada por uma livre interpretação bíblica, deu prioridade, na sua acção, à catequese das crianças, apoiando-a no testemunho activo da família, primeiro espaço de transmissão e expressão da fé. A Bíblia, suporte doutrinário do catecismo, foi um Livro usado sobretudo pelo clero, a quem competia ensinar as verdades cristãs às crianças e motivar os pais para o seu dever de primeiros educadores da fé dos seus filhos. Muito tempo assim, tempo de mais dada a evolução das mentalidades e da sociedade. Maior preocupação em continuar a defender, sem garantia, a fé dos crentes, e menor em evangelizar e alimentar essa fé, cada vez mais débil. Mesmo nos seminários, o estudo da Escritura foi deficiente, por haver mais preocupação com os problemas exegéticos, que com a riqueza espiritual inesgotável da Palavra Revelada.
Já em pleno século XX a Bíblia, traduzida em português e com notas explicativas, tornou-se mais acessível aos católicos. Os padres capuchinhos tiveram grande mérito neste acordar bíblico com a pregação popular, os grupos paroquiais, as Semanas Bíblicas nacionais, a publicação contínua da Bíblia e a Revista Bíblica. Milhares de pessoas e muitas centenas de paróquias vêm beneficiando desta acção. O Vaticano II fez acerca da Palavra de Deus uma Constituição conciliar ainda pouco conhecida. Dá-se, agora, cada vez mais atenção à leitura espiritual da Bíblia, dita “Lectio Divina”, que leva à participação pessoal de quem escuta ou lê a Palavra. As celebrações litúrgicas, mormente a Eucaristia, dão lugar central à Palavra de Deus e ao ministério de leitor, ajudando a crescer o amor à Bíblia.
Nos últimos tempos faz-se a campanha “ Em cada casa uma Bíblia”. Vê-se, porém, que não chega colocar o Livro nos lares cristãos, se antes ou ao mesmo tempo, não se mete, com cuidado e persistência, no coração dos crentes, o amor à Palavra e a capacidade de a ler e meditar, com fruto espiritual e apostólico.A preparação do próximo Sínodo dos Bispos sobre a Palavra de Deus, está acordando a Igreja das suas rotinas, omissões e demoras. Se evangelização, iniciação cristã, formação dos adultos e agentes pastorais são hoje urgências na Igreja, não se dará passo válido sem dar à Bíblia ou à Palavra de Deus o lugar indispensável que lhe compete.

António Marcelino
Bispo emérito de Aveiro

quarta-feira, junho 18, 2008

Católicos, bem-vindos a casa!

Este video já converteu muita gente ao catolicismo, no entanto a razão pela qual o coloco aqui é para que os meus amig@s visitantes católicos sintam um pouco daquilo que nós somos.
Penso que afinal não somos assim tão maus como se costuma dizer aí por alguns meios de comunicação social, não acham?

Enfim, coisas da vida ...

terça-feira, junho 17, 2008

ISCRA DISTINGUIDO COM PRÉMIO INTERNACIONAL

V Premio Iberoamericano en Honor a la Excelencia Educativa 2008 foi atribuído ao ISCRA

O Instituto Superior de Ciências Religiosas de Aveiro (ISCRA) foi distinguido com o V PREMIO IBEROAMERICANO EN HONOR A LA EXCELENCIA EDUCATIVA 2008, pelo Consejo Iberoamericano en Honor a la Calidad Educativa – CIHCE.

O PREMIO IBEROAMERICANO EN HONOR A LA EXCELENCIA EDUCATIVA é a mais importante distinção internacional, outorgada anualmente aos mais prestigiados profissionais e instituições, líderes da Educação Ibero-americana, ao destacarem-se em suas respectivas especialidades e países na tarefa de formar homens e mulheres de excelência.

Na condição de galardoados com este Prémio, o ISCRA receberá os seguintes reconhecimentos:

· Troféu de Honor a la Excelencia Educativa 2008
· Título de Máster en Gestión Educativa de Iberoamérica
· Título de Doctor Honoris Causa de Iberoamérica
· Condecorações de Honra

Os critérios de avaliação que o Consejo Iberoamericano en Honor a la Calidad Educativa – CIHCE analisou e que conduziram à atribuição deste Prémio ao ISCRA foram os seguintes:

1. Indicadores Pedagógicos
2. Benefícios e contributos à educação
3. Contribuição Social
4. Reconhecimento Geral
5. Metodologia de ensino
6. Experiência Educativa
7. Logística e infra-estrutura
8. Outros

O ISCRA foi informado pelo Consejo Iberoamericano en Honor a la Calidad Educativa – CIHCE que é uma instituição muito valorizada e admirada no nosso país pelo seu importante contributo no desenvolvimento e mudança da Educação em Portugal.

terça-feira, junho 03, 2008

Passageiro impedido de embarcar por causa de desenho em t-shirt

A segurança do terminal cinco do aeroporto de Heathrow não deixou embarcar um homem que levava uma t-shirt com o desenho de uma arma, segundo a BBC.

Brad Jayakody, de Londres, diz que ficou estupefacto com as objecções que foram colocadas à sua t-shirt com um boneco dos desenhos animados Transformers.
Para embarcar, teve de mudar de camisola mesmo ali em frente das outras pessoas.
Mas um porta-voz do aeroporto disse à BBC que não foi apresentada qualquer queixa sobre este episódio que já ocorreu há algumas semanas, confirmando, porém, que os passageiros poderão ser convidados a mudar de camisola se esta apresentar alguma expressão rude ou o desenho de uma bomba.
fonte: SOL

Sinceramente, cada vez mais fico surpreendido com as medidas restritivas que se colocam em defesa de todos. Por outro lado libera-se tudo o que possa parecer antigo e fora de moda.

Enfim, coisas da vida ...