terça-feira, outubro 16, 2007

Poesia

Começo agora a descubrir muito ao de leve a poesia. Sempre tive enorme dificuldade em me conseguir concentrar para pensar seriamente nas palavras soltas e breves que são utilizadas na poesia. No entanto cada vez mais começo a gostar de lêr e relêr algumas poesias. Será então este um sinal de velhice? ou que estarei a ficar maduro?
Deixo-vos aqui com um poema lindíssimo que hoje por acaso li e sinceramente gostei.


Soneto dos 45 anos

Que soubeste fazer da tua vida
depois de tantos anos à procura
do que chamavas terra prometida
no meio da floresta mais escura?

Por que deste consolo a essa ferida
que ainda continua a arder sem cura
se do teu coração não há saída
e o tempo te devora em lenta usura?

O que te ensina hoje cada dia
se já pouco te dói como doía
e tudo se transforma em quase nada?

Apenas o amor, que será só
memória de quem és, do pó ao pó
- cinza talvez, mas cinza apaixonada.

A Luz da Madrugada, por Fernando Pinto do Amaral. Dom Quixote.

Enfim, coisas da vida ...

1 comentário:

Paulo disse...

Também editei 1 livro de poesia, faz algum tempo é certo mas, ler poesia, não é sinal de velhice, mas sim de outras prioridades. A biblia, por exemplo, meu amigo, tem tanto de verdade como de poesia, alías, poesia verdadeira e que devemos seguir. Se quiseres manda um email com endereço que ofereço-te um.