segunda-feira, novembro 05, 2007

PORTAL DE ZAQUEU

A cena ocorre em Jericó, cidade relativamente rica e próxima de Jerusalém. Jesus com o seu grupo está de passagem. O comentário corre veloz, dando origem a um certo alvoroço popular. A curiosidade apodera-se dos habitantes. Querem ver o acontecimento. Também Zaqueu, homem rico e influente, se sente “tocado” e não resiste: corre para ganhar distância, sobe a uma árvore, observa a movimentação dos caminhantes e fixa-se, sobretudo, em Jesus de Nazaré. Há nele um impulso irresistível: A curiosidade faz-se expectativa e esta abre horizontes à esperança.

Jesus acompanha os movimentos de Zaqueu e capta os seus sentimentos. Por isso toma uma iniciativa ousada e faz-se seu convidado. Quer ficar em sua casa, ser seu hóspede, sentar-se à sua mesa, partilhar a sua intimidade, acolher as suas preocupações. E fá-lo com tal mestria que o diálogo provoca uma alteração completa na vida do chefe dos publicanos da cidade.
Zaqueu, dando largas à sua alegria, põe-se de pé e, com a maior das simplicidades, abre o coração e exclama: Vou redistribuir os meus bens. Aos pobres darei metade do que possuo e, a quem defraudei, restituirei quatro vezes mais. Jesus aprova decisão tão generosa e garante, com notável firmeza, que a salvação havia entrado em casa de Zaqueu.

A sobriedade deste episódio oferece-nos a riqueza do seu sentido, constituindo uma espécie de “portal” onde se visualiza uma compreensão integral do ser humano e das suas múltiplas relações. Dela resulta uma antropologia que dá consistência e abre horizontes às antropologias de todos os tempos, sobretudo actuais.
O ser humano é “habitado” por uma apetência divina e sente-se chamado a ir ao seu encontro, a buscá-la sem temer comentários nem reacções caricatas. Não lhe basta a satisfação efémera, ainda que necessária. Anseia sempre mais. A medida do seu coração é a da Infinito que, em Jesus de Nazaré, se revela em plenitude. É a Ele que se entrega em aliança de amor que, na terra, se celebra em gestos e sinais, e na eternidade se contempla e vive sem qualquer restrição.
A esta luz, como são redutoras as perspectivas de correntes culturais como o relativismo, o subjectivismo, o materialismo, o hedonismo.

Do encontro com Jesus, Zaqueu apreende uma nova dimensão da vida. Ele não se isola nem contemporiza com atitudes egoístas. Abre-se aos outros, considerados na sua dignidade. Revê comportamentos incorrectos. Não se fica pelo cumprimento da lei. Os outros são pessoas como ele. Reconhece os direitos do pobre e quer respeitá-los.
Este reconhecimento é fundamental para a segurança do nosso crescimento pessoal e para a humanidade da nossa convivência. Sem ele, somos sempre estranhos uns aos outros e tendemos para a inevitável desconsideração das capacidades alheias. O reconhecimento é a afirmação valorativa da nossa comum humanidade e da urgência de implementar atitudes pessoais, regras sociais e medidas legislativas adequadas.

O portal de Zaqueu faz convergir toda a narrativa para a função dos bens: o modo como são adquiridos, administrados e consumidos; a rede de distribuição e de comercialização; os preços e as margens de lucro; enfim, a economia “pura e dura”. Sem bens suficientes, não há possibilidades de atender às necessidades humanas fundamentais de todos e de cada um. Sem produção, não pode haver distribuição. Sem trabalho para todos, não é legítimo acumular empregos. A partilha, antes de ser uma forma de escoar as sobras, tem de proporcionar o acesso pelo emprego ao “banco do trabalho”, às actividades socialmente úteis, às iniciativas de que necessita todo o ser humano e o realiza, embora não sejam remuneradas. Esta visão evangélica, embora apenas esboçada, constitui uma autêntica novidade na área económica e pode contribuir imenso para humanizar as relações comerciais hegemónicas.

Visto do portal de Zaqueu, o nosso mundo pode ser mais humano com o reforço do Evangelho.

05.XI.2007 - P. Georgino Rocha
[imagem: Jesus fala com Zaqueu] fonte: http://globalrecordings.net

1 comentário:

Paulo disse...

Uma GRANDE verdade.