sexta-feira, fevereiro 15, 2008

Na Linha Da Utopia [14.02.2008]

O mundo na mão. Que mão no mundo?

1. Há breves anos, quando apareceu um anúncio publicitário com o mundo numa mão, destacava-se o efeito da desproporção, como se realmente fosse possível ter o gigante mundo numa pequena mão humana. Para além da questão publicitária, alguns observadores viam nessa imagem fotográfica um sinal destes tempos, que nos fazem sentir o mundo sempre presente. Efectivamente assim acontece. Nunca os continentes, as comunidades e as pessoas estiverem tão próximos, nunca como hoje se conheceram tantos cantos e recantos deste planeta azul (às vezes cinzento), nunca, também, se observaram em simultâneo as misérias, os cataclismos, as venturas e desventuras da humanidade.

2. À ousadia de colocar o mundo numa mão, vai-se erguendo a ideia feita compromisso de colocar as “mãos na massa” do mundo concreto. Se todas as formas de comunicar trazem até nós as diversas realidades de mundo, cabe, consequentemente, quase como imperativo da responsabilidade, um continuado despertar envolvente cada vez mais na busca de soluções, práticas como eficazes. É esse o esforço a potenciar, multiplicar. Quando não, uma pequena parte do mundo estará à mesa num lauto banquete da abundância…a ver as imagens da gritante fome na televisão. Tão simples quanto isto. Escandaloso!

3. O deslumbrante encontro do “global” com o “particular” obriga a redimensionar tudo. Como manifesta muitas vezes o presidente da AMI (Assistência Médica Internacional), Fernando Nobre, é urgente gritar “contra a indiferença”, esta indiferença o pior dos males das chamadas sociedades de bem-estar. Até para as grandes instituições que se querem afirmar como significativas nos tempos de globalização, não há outra solução senão o procurar (re)conhecer o mundo e tê-lo sempre presente como horizonte, numa redescoberta local de soluções que se vão abrindo à universalidade, até ao mundo na “mão”!

4. O tempo do olhar para o umbigo dos “botões” passou. A época do apreciar e partilhar a diversidade local no mundo global está aí, afirmando-se como a via de enquadramento como diálogo dialéctico de todas as diversidades tão ricas neste mundo. Como sugere Jérôme Bindé, na introdução à obra “As Chaves do Século XXI” (Piaget, 2002: 13), «o séc. XXI não poderia ser reduzido a um monólogo, ainda que fosse o da tecnologia, e qualquer antecipação não pode ser, a nosso ver, senão uma “dialéctica” do futuro». Nesta base, e em busca de qualidade humana sempre crescente, será mais possível pôr no mundo a mão que não explore mas que seja o encontro ético de justas soluções. Muitas mãos ainda não vêm mais longe que os seus botões…

Alexandre Cruz [14.02.08]
[imagem mundo na mão] fonte: http://meuslivros.weblog.com.pt

Sem comentários: